Pizza sem glúten é possível

No próximo dia 10 de julho será celebrado o Dia da Pizza. Uma das invenções culinárias mais apreciadas pela população mundial, a pizza caiu na graça dos brasileiros, o que tornou o país um dos maiores consumidores do alimento, atrás apenas dos Estados Unidos. De acordo com o levantamento realizado pela APUESP (Associação Pizzarias Unidas do Estado de São Paulo), diariamente são consumidas 1 milhão de pizzas no Brasil.

Não há como negar que a massa da pizza é altamente calórica, principalmente pelo uso dos queijos. Cada porção possui cerca de 100 calorias. A escolha dos ingredientes também influencia nos níveis de calorias, e pode até triplicar o número, variando de 200 e 500. Mas, a médica Alice Amaral, especialista em Nutrologia pela Associação Médica Brasileira (AMB) e pela Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN), garante que é possível saciar a vontade e ficar dentro da dieta.

“Praticamente toda pizza leva molho de tomate, que é rico em licopeno – substância que possui o papel de prevenir o desenvolvimento dos cânceres de mama e próstata. Além disso, o tomate ajuda no combate às doenças cardiovasculares, por conta do alto poder antioxidante. A utilização do azeite também é de suma importância, já que atua na redução dos problemas do coração e melhora o perfil de gordura do sangue”, explica a médica.

De acordo com a especialista é preciso ter atenção também à espessura da massa. “Opte por massas mais finas e evite bordas. Para reduzir problemas com a balança, retire da receita sabores como provolone, gorgonzola, calabresa, bacon e catupiry, que são itens altamente calóricos”, revela e lembra:

“Se possível, ao preparar o alimento, faça a simples substituição da farinha de trigo pela farinha integral ou de quinoa. Já o recheio, use a imaginação, e inclua alimentos como hortaliças e rúcula”.

Abaixo, Dra Alice Amaral lista alimentos que não podem faltar em uma pizza saudável e oferece uma receita de pizza sem glúten:

Tomate – Rico em licopeno, substância relacionada à redução do risco de doenças cardiovasculares e dos cânceres de próstata, pulmão e estômago, ele também é fonte de vitamina C e potássio.

Orégano – Erva aromática indispensável em diversas receitas italianas, ele contém flavonóides, ácido fenólico, ácido rosmarínico e caempferol, substâncias associadas a uma potente ação antioxidante, antimicrobiana e bactericida.

Azeite – Além do rico sabor que fornece à preparação, ele é um tipo de gordura monoinsaturada, rica em ácido oleico (ômega-9). Estudos mostram ainda que o consumo desse tipo de gordura reduz o risco de doenças cardiovasculares por diminuir o colesterol e a pressão arterial.

Manjericão – Rico em óleos que contêm substâncias chamadas flavonóides, estudadas por suas possíveis propriedades antiinflamatória, antimicrobiana e antioxidante, combatendo o envelhecimento celular.

 

Pizza sem glúten de vegetais

Ingredientes massa:

1 copo de água

1 colher de sobremesa de semente de gergelim

1 pitada de sal

1 colher de chá de fermento químico

1 xícara de farinha sem glúten (FSG)

1 clara de ovo

 

Preparo:

Bata a água, o gergelim, a farinha, o fermento e o sal no liquidificador por um minuto. Junte a clara e bata bem. Coloque numa forma de pizza untada, ou coberta com papel manteiga. Leve ao forno pré-aquecido por cerca de 10 minutos. Retire do forno e coloque o recheio.

Ingredientes Recheio:

1 abobrinha pequena

1 cenoura pequena

1/2 pimentão amarelo

1 cebola pequena

1 colher de chá rasa de açafrão

Pimenta do reino à gosto

1 pitada de sal marinho

Cebola desidratada (se quiser)

Preparo:

Cozinhe levemente na wock ou no vapor os legumes cortados em tirinhas ou ralados, temperados com o açafrão e pimenta do reino. Retire do fogo, e coloque sobre a massa. Salpique cebola desidratada por cima. Leve a massa ao forno por mais 10 minutos. (Rende 1 forma de pizza média)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *